Para ouvir (Aperte play)

Amar você

pura e simplesmente

como uma criança

quando tudo é novidade

Amar intensamente

Amor e amar




Linda história e inesquecível...
O sol e a Lua

Inesquecível...O Sol e a Lua...

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011



Só...
E posso ouvir meu grito nesse mar sobre ciclones no silêncio
Talvez reste uma mágoa
Quem dera fossem meus olhos imperceptíveis
Assim não perceberiam a indiferença dos teus pensamentos...
éfemero sentimento

Só...
E as vezes, sinto falta daquele menino doce
Quando pensei não ser um sonho
Pensei ter profundamente tocado... Encantado
Pensei seus olhos pequenos, amarem ao encontro dos meus
Pensei seus ouvidos, amarem o aconchego no tom da minha voz
Pensei tanta coisa...imcompreensível
Me perdi...

Só...
E nem mesmo a dor mais faz sentido
Se teus olhos não mais reluzem o que dizias...
Negaste a sentir o gosto do meu amor

Talvez tenha sido eu
parte da estória que faltava
A fantasia...
A adoradora do seu amor
E me privaste...

Então eu volto a ser o que sempre fui
Um poema
Um dia
Um nada
Um ser, apenas
E só

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Segredo


Ardentemente acaricio teu corpo

e vejo você próxima do meu passado

Ensejas e não foges à tua volúpia insaciável

Aconrrentas meu peito em teu seio macio afro selvagem

Deslizas teus lábios pungente mel e

devoras fera domável, a essência loucura do meu prazer

Gozo da lingua ao néctar em tuas curvas trigueiras

Malícia do meu sim em dizer não

Sina minha esse tanto bem em te querer... Meu medo

Esse mal em saciar-me paixão... Segredo


(Declarações)

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Respeito


Num beco da praça
Da minha cidade pequena
Em que o sereno da madrugada caia
Escorados num muro escuro
Perdeu-se um pouco do respeito
Deixei-te bem à vontade
E me tocaste...
Senti teu corpo no meu corpo fervilhar
Quente eramos vulcão em erupção
Inocência e loucura essência da paixão
Mas não tiveste coragem
Por que me amavas demais
No beco da praça, no muro escuro
Havia apenas eu você e todo tempo...
E me deixaste ir...





Inpirado na poesia de Átila Ibáñez - RESPEITO.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Tempo...


Imploraria por uma migalha de tempo

Atravessaria a distância que nos torna prisioneiros de nós mesmos

Para estar um instante olhando nos olhos teus

E que eles pudessem rescitar-me àquela poesia que jamais ouvi

Linda poesia do meu tanto imaginar...

Aguçaria-me os ouvidos

E aos aplausos de um choro, diria-lhe: "Faz-me tanta falta..."

Sabes bem que cativa-me

Sabes bem que balança-me a cada frase pincelada com a nobreza e a delicadeza de um pintor

Mesmo que não houvesse um depois

Por um segundo apenas... o fragmento do suspiro que restarem de seus dedos.

E eu o absorveria

Imploraria...

Pois ja és eterno

Em cada frase que penso e escrevo

Em cada instante que vivo e aprendo





(Dedicado a um grande Poeta A. F)

Obrigada por ter sido sempre um grande e inesquecível amigo e por me ensinar com seus lindos escritos que vale a pena continuar escrevendo, e que o incompreensível pode ser realmente encantador.