Para ouvir (Aperte play)

Amar você

pura e simplesmente

como uma criança

quando tudo é novidade

Amar intensamente

Amor e amar




Linda história e inesquecível...
O sol e a Lua

Inesquecível...O Sol e a Lua...

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Sentimental



Sinta meu carinho
Com a brisa suave
Que acaricia teu rosto desprotegido
Que este meu cuidado possa tocar
Muito além do que meus braços possam alcançar

Alma de poeta *Esperiência*


Quem pode decifrar a alma de um poeta?
Quem sabe sendo um outro poeta?
Alma sensível e perspicaz a capturar
Multiplicidade de histórias e sentimentos alheios
Há quem ri ou chora lendo essas estórias
E creem serem suas
Um poeta nem sempre fala por si
De si
Fala por seus lábios de sensibilidade
E o que inspira a alma naquele momento
Ou não haveria tantas inspirações a germinar
Mas há quem obstina-se a decifrar
A alma intrigante de um poeta
Hesita alçar voo livremente a todo amor e felicidade que esta ao lado
Fixando-se em sentinela sobre interrogações melindrosas
Não muito além
De onde possa ou queira
Avistar
Intriga-se em receio
Quanto
Ao bem estar da alma cativa à escrita de um poeta

Viver simplesmente sem culpas, mágoas
Ou medo
Se fazer feliz e fazer feliz
Ou triste
é assim...
Das mais complexas histórias faz-se as mais belas poesias
Inspiradas a felicidade ou a nostalgia
Experiência

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

ESCONDERIJO



Procuro a solidão
Como o ar procura o chão
Como a chuva só desmancha
Pensamento sem razão
Procuro esconderijo
Encontro um novo abrigo
Como a arte do seu jeito
E tudo faz sentido
Calma pra contar nos dedos
Beijo pra ficar aqui
Teto para desabar
Você para construir
(Ana Cañas)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Fantasias


Ah se soubesses...

Ou pudesses decifrar das fantasias

Quanto aos beijos que mandavas

Onde eu os quisesse imaginar

Pasmaria-se

Imagine só! Uma flor com estupendas imaginações!

Hum...

Flor não tem cérebro

Muito menos sexo

Logo, não poderia ter fantasias

Mas como sou uma flor mulher

Tenho destas regalias

Desenho encantado no céu


Eis que surgi uma menina
Transformando cores em purpurina
Mistura todos os tons de forma entusiasmada
Depois pinta o céu com todas elas mescladas
De começo não entendo seu movimento desordenado
Como num vem e vai... muito mais que engraçado
Me vem risos e ao observa-la me faço encabulado
Pois me parece um tanto quanto amalucado
Mas ao fitar acima por entre as palhas do meu chapéu
Percebo lindas cores que se fazem no imenso azul do céu
Eis que a menina pega em folhas de papel com carinho
E mais que derrepente rasga-os em pedacinhos
Lança-os ao imenso azul que se faz ventania
Espalhando-se em farfalhos emitindo tons de alegria
Eis que meus olhos veem o que não posso acreditar
A pequena menina engraçada que parecia com as cores brincar
Em tantos movimentos confusos e felizes
Fez no céu um lindo e encantado arco-íris
E dos pedacinhos de papel
Fez lindas nunvens espalhadas pelo imenso azul do céu

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

NÃO CREIO

Realmente palavras voam e se dispersam ao vento
O que ficam são as escritas apenas
lembranças daquilo que jamais existiu
Não creio na poesia sem sua essência
Por não crer
temo ao que devo aprender adiante
e deixar que me perca da essência genuína
que formam minhas simples escritas
Que cesse em mim a poesia
e seu encanto em cada frase moldada
Ou eu a afogarei dentro do peito
Prefiro vê-la morrer
à ter que viver e escrever
inspirada à um vasto vão breu
ao qual não creio
e ninguém creia

"Aquilo que supus ser a essência, e tanto confessei amar na poesia, acaba por me fazer uma lacuna."

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Ana Flor


O sopro de um vento frio passa
Emitindo no silêncio da tarde tranquila
Um sibilo rangido por entrelaçar as árvores
Entoando um canto de lamento
Os galhos balouçam inclinando-se
Uma última flor presa aos galhos
perde suas forças
desprende-se e cai ao chão
Suas lindas pétalas coloridas desatam de sua essência
Dispersam-se esvoaçando com a força do inverno que acabara de chegar
Linda flor triste com suas pétalas coloridas espalhadas pelo chão
Última flor da temporada
É certo que outras flores nascerão em seu lugar
nas próximas estações
Talvez mais perfumadas
Talvez mais coloridas
Mais fortes
Mais belas
Porém não mais...
flor e encantadora quanto esta


Findam versos de Ana Flor * Intensamente eu...

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

LUCAS

A minha mãe é linda
Como uma margarida
A minha mãe é bela
Como as flores da primavera
A minha mãe é cheirosa
Tem o perfume das rosas
Minha mãe tem olhos de mel
Que brilham como as estrelas no céu
Na minha mãe eu dou abraços de montão
Ela merece
Pois mora no meu coração
(Poeta* Lucas*) Oh meu Deus eu mereço isso?...
EU TE AMO
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Dorme nos meus braços
Me beija
Diz ser eu a coisinha mais linda
em todo mundo
Me ouve quietinho
Sorri e chora juntinho de mim
Meu ponto de chegada
Meu ponto de partida
A minha maior parte
e a mais intensa
Meu amor maior
é você
Meu filho querido

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

USURPADORA DE VOCÊ

Não oprimas os teus quereres
Nem te cales dos teus dizeres
ou o que esperam
minhas asas sem o voo
E as sementes que ao céu arremessou
e todas elas que germinam
Rendo minha alma a ser cativa
Rendo meu ser enciumado
Não sendo eu senhora dos fios dourados
e do fruto amendoado
nos olhos daquela que de ti tem tanto amor
nem ser a essência daquilo que fazem teus dedos delinear
Não me causa pezar ter olhos negros
se me fazem o resplendor da lua avistar
Meu âmago é plácido e incessante
mesmo que o faças derradeiro
à este sôfrego amor que te faz prisioneiro
Quero aspirar de ti o que jogares ao vento
Mesmo que meu intento
tome forma de nostalgia
e ande atreito à utopia
inspirado da tua alegria
ou do teu lamento
Peço-te então apenas que me deixes ser
o que me resta ser...
usurpadora de você

SEGREDO


Te beijarei todos os dias

do anoitecer ao amanhecer

no silêncio da minha alegria

em segredo no sonhar com você

assim independo que queira

desse meu jeito sem eira nem beira

mas tem tanto bem em te querer



E restaram apenas eu e a poesia ...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

VAIDADE


Sonho que sou a Poetisa eleita,

Aquela que diz tudo e tudo sabe,

Que tem a inspiração pura e perfeita,

Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade

Para encher todo o mundo!

E que deleita

Mesmo aqueles que morrem de saudade!

Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...

Aquela de saber vasto e profundo,

Aos pés de quem a terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,

E quando mais no alto ando voando,

Acordo do meu sonho...

E não sou nada!...

(Florbela Espanca)


sábado, 6 de fevereiro de 2010

Minha dor


Quem me dera esvaecer em pranto

Quem sabe me calasse

Esta nostalgia

Quem sabe me afagasse

Esta alma fria

Que clama num silêncio

E não sei por quê

Saudade num lamento

E não sei de quê

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

SABOR DE POESIA


Minha poesia quer fluir

Indo de encontro ao vento

Absorva-a para dentro de tí

Num delicioso sabor de beijo

RECICLADOR DE EMOÇÕES


São vagas noites alucinadas sobre teus dizeres
São versos raros germinados
a todos jogados ao vento
Inspirações recolhidas aqui e acolá
aspiradas de mim
ou além
E o que se passa ai
do outro lado?
Mundo desconhecido
dentro dos teus fantasmas?
Eles vagam como os meus?
Visitam-me ao anoitecer
Me traz uma rosa vermelha
nas mãos
Deixa sobre os lençóis branco
Açoita meu leito
revirado
Enlaça minha dor no teu peito
Faz minha tua única inspiração
Embate delírios do meu coração
dilacerado e faz curar
Alforria minha alma escrava
Rende seus dedos
aos contornos trigueiros
na escrita do prazer
do meu amar



Inspirado na poesia de Álvaro Faria
http://todapalavranenhuma.blogspot.com/2009/10/reciclador-de-palavras.html