Para ouvir (Aperte play)

Amar você

pura e simplesmente

como uma criança

quando tudo é novidade

Amar intensamente

Amor e amar




Linda história e inesquecível...
O sol e a Lua

Inesquecível...O Sol e a Lua...

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

segunda-feira, 21 de março de 2016



Feito coração de criança
Feito sopro na andança
Me traz sempre a lembrança
Numa canção e no sentir
Anjo te faço poesia 
Vendaval ou calmaria
Envolvida em tua magia
Tua voz já me fez dormir
Te ouvindo assim, te sinto perto
Perfumando meu universo
Fazendo meu coração sorrir


domingo, 21 de junho de 2015


Quero ver teu sorriso 
desenhando girassóis
Tua face sob alvorada
Atravessando os lençóis
Quero ver teus pés descalços sentindo o chão
Os sapatos gastos seguros em tuas mãos
Quero ver as folhas implorando tua nostalgia
O nascer da inspiração em tuas belas poesias
Tua lágrima pueril diante do não e da teimosia
E na rouquidão de tua frágil voz... uma doce cantiga...
(Ciranda cirandinha...)
A vida renasce como a aurora
Assim sem medo
Frente a mim no espelho
Sobre a palidez da tua imagem verás as minhas cores de alegria...
Refletindo sobre ti ainda tantos sonhos de menina
Ana Claudia



No entrelaçar dos nossos braços
Entre teu peito e o meu.. há um espaço
Nosso mundo incompleto que nos abraça e verseja
E a cada instante de afeto.. descobrem-se metades inteiras
Ana Claudia

Folhas de papel sobre a mesa...
Linhas que insisto em rebuscar...
O âmago é arte nas mãos do poeta
E se minha voz perdesse o som?
E se meus dedos atrofiassem?
E se meus olhos não pudesse mais ver a cor que existe em cada sorriso ou a transparência de uma lágrima?
Então o meu sentir seria todo poesia...
E ainda assim.. a minha pele no toque da face descobriria o sorriso...
A lágrima teria som, como as gotículas de chuva caindo na vidraça.
O âmago se pronunciaria em doses aromáticas.
Eu seria toda.. a melhor parte de mim...
Um exalar de poesia sem fim...

Sob sombra das impossibilidades
Um adeus é dignidade.
Ana Claudia.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Se há pouco tempo, ou muito.. não me é sabido
É a medida exata do que sinto que te faz em mim saber
Minha alma já se fazia saber a medida sentida de ter você.. 
mesmo antes de te saber.. em frases e canções, certezas ou ilusões...
Meus ouvidos já sabiam o timbre nas tuas frases.. a melodia e tom que de cada uma delas soaria
O tempo vence o frescor de qualquer melodia.. Ela passa a ser outrora no segundo que vai embora.. transforma-se em nostalgia...
Algumas frases ainda ensaiam sorrisos.. enquanto nossos olhares silenciam...
A espera pelo momento certo, muitas vezes ofusca a beleza do instante que se tem perto...
Os dias me remetem a passar...
Enquanto tua medida te sustem...
O sentir não é exato quando cria-se um espaço entre o sentir e o saber...
Sentir e saber a medida do amor que se tem...