Para ouvir (Aperte play)

Amar você

pura e simplesmente

como uma criança

quando tudo é novidade

Amar intensamente

Amor e amar




Linda história e inesquecível...
O sol e a Lua

Inesquecível...O Sol e a Lua...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Canção do exílio




Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

(Gonçalves Dias)






Felicidade voltar...

Cada vez que ela voltava, mais entendia o tamanho do seu amor.

Como criança teimosa que chora... Se ia chorando pela estrada

Essas ruas contam a sua história.

Porque chorava, menina..

Ela que era simples de sorriso aberto num choro calou-se.

O que chorava era a esperança que agora anda cantando nesses lugares onde ela cresceu.

Tomando fôlego no vento... No tempo...

De braços abertos como se no mesmo instante em que foi deixado.

A menina para sempre haverá de viver e morrer feliz em seus braços.

(Nos braços de minha terra - Ana Claudia)

Um comentário:

  1. Não será meu
    aquilo que nunca se deu
    somos dados a prometer
    a quem nunca nos mereceu

    só, aqui aportamos
    e só, daqui partiremos
    muitas vezes sem nada pedir
    damos a outrem o que temos

    sentir a mão vazia no aperto
    numa apresentação ou despedida
    são seres frios sempre ausentes
    mesmo que respondam presente

    rubra ilha ferida
    sofres de tanta ausência
    mesmo que transbordes vida

    a deriva perco-te no gps
    foges ao meu controle tímido
    mesmo dando sempre guarida.

    Antonio Campos 01/11/11.

    ResponderExcluir