Para ouvir (Aperte play)

Amar você

pura e simplesmente

como uma criança

quando tudo é novidade

Amar intensamente

Amor e amar




Linda história e inesquecível...
O sol e a Lua

Inesquecível...O Sol e a Lua...

sábado, 9 de julho de 2011

Os olhos teus


A cada instante de você e
volto no tempo...
Vi-me empalidecer a face, a voz calar-se num suspiro
mãos trêmulas
Extática, pasma, encantada
fulgores da adolescência
balada
Seu olhar...
Cor mesclada aos globos florescente
Como miragem no crepúsculo
Chama incandescente da lembrança
Página de um delírio primeiro
Chama insana e volta a ascender
Me deste dos teus olhos, me olha
Do teu olhar e me devora
Mira... Tatuagem na retina dos olhos meus
Ah... Foi o encontro do teu olhar
Olhos mais lindos, jamais verei iguais aos teus



5 comentários:

  1. Olhos que encantam, afagam, espantam... O medo... dissoluto da solidão - entregando... O amor...
    Saudades Ana linda, entre os meus seguidores mais especiais, eis você, em prosa e verso!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Teus olhos (Barcarola)
    Castro Alves

    Teus olhos são negros, negros,
    Como as noites sem luar...
    São ardentes, são profundos,
    Como o negrume do mar;

    Sobre o barco dos amores,
    Da vida boiando à flor, ("linda flor")
    Douram teus olhos a fronte
    Do Gondoleiro do amor.

    Tua voz é a cavatina
    Dos palácios de Sorrento,
    Quando a praia beija a vaga,
    Quando a vaga beija o vento;

    E como em noites de Itália,
    Ama um canto o pecador,
    Bebe a harmonia em teus cantos
    O Gondoleiro do amor.

    Teu sorriso é uma aurora,
    Que o horizonte enrubesceu,
    — Rosa aberta com biquinho
    Das aves rubras do céu.

    Nas tempestades da vida
    Das rajadas no furor,
    Foi-se a noite, tem auroras
    O Gondoleiro do amor.

    Teu seio é vaga dourada
    Ao tíbio clarão da lua,
    Que, ao murmúrio das volúpias, Arqueja, palpita nua;

    Como é doce, em pensamento,
    Do teu colo no langor
    Vogar, naufragar, perder-se
    O Gondoleiro do amor! ...

    Teu amor na treva é — um astro,
    No silêncio uma canção,
    É brisa — nas calmarias,
    É abrigo — no tufão;

    Por isso eu te amo, querida,
    Quer no prazer, quer na dor,
    Rosa! Canto! Sombra! Estrela!
    Do gondoleiro do "Amor".

    ResponderExcluir
  3. Que belo poema INSPIRADÍSSIMO,
    pode se dizer até que transpira uma bela canção

    ResponderExcluir
  4. Repare como poucas vezes vivemos essa sensação.

    Isso significa que ela deve ser aproveitada ao seu máximo, porque é RARA.

    Daniel

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir